sexta-feira, 9 de novembro de 2007

Memórias Indissolúveis


É praticamente impossível dissolver algumas memórias.
Por maior que seja a proporção do tempo
em relação a elas
Muitas são indissolúveis.
Ainda mais pensamentos involuntários.
Ou simplesmente, ainda não passou tempo suficiente.
Não, não,
Não há dor.
Apenas saudades.
Lembranças que me trazem sorrisos aos olhos
e brilhar em meus lábios.
Não, não estou apegado ao passado.
Apenas recordo como quem ainda sonha;
e faz planos.
Como se a ausência fosse apenas temporária.

Por mais que eu conheça pessoas incríveis.
Por mais que eu ocupe todo o meu dia e tenha sucesso.
Ainda que o tempo tenha me mostrado;
não é impossível, há apenas mais limite na felicidade
viver sem você.

Celebro ainda cada calendário.
A cada um mês, três, quatro no último seis,
o dia em que lhe conheci.
Minha primeira e verdadeira noite ao lado de ti.
Sua primeira noite aqui!
Sim, sim.
Você veio até mim.
Destes dias celebro até o último
o último segundo.

Não, não
Não há lágrimas ou qualquer idéia de melancolia
Nem mesmo qualquer sentimento parecido.
Ao contrário, só há energia
e meu sangue circula frenético ao lembrar esses dias.

Corro, corro e corro
Contra e a favor do tempo
Em direção e em contramão ao vento.
Sempre, sempre, sempre
Ininterruptamente
Realizações, sucesso e até a máxima alegria
Seriam maiores se ali comigo
estivesse você.
Nunca, jamais eu pensei por qualquer via
Em roubar sua vida ou anular a minha.
Apenas somar e multiplicar alegrias
Que já são presentes mesmo sem você e mesmo
a você sem a mim.

Entenda o que digo
Entenda o que peço
Entenda que por mais que eu viva
Que eu acerte ou que eu erre
Que eu ame ou odeie
Que eu me vá, para longe, longe, muito longe
Que eu retorne que eu chegue
Que eu sorria e minta até gargalhar de euforia
Entenda, entenda, por favor, só entenda!
O que quero dizer!

Mesmo depois de tudo que foi feito
Por mim, por você
Suspeitos culpados
mas inocentados
pelas circunstâncias do tempo.

Entenda, por favor, entenda!
Peço-lhe com meu maior sorriso sincero nos olhos.
Entenda o que escrevo
Pra que eu escrevo
O que grito aqui dentro
Apesar de tudo
tudo vivido.
Não houve um só dia
Não há um só dia
Que eu não pense
Que eu não sonhe
Que eu não planeje.
Será imponente
se for com você.

______Eduardo Magalhães, Natal, 27 de setembro de 2007

5 comentários:

Rachel Motta disse...

difícil controlar o pensamento ainda mais quando há sentimentos fortes
beijos e bom final de semana

Nobre Epígono disse...

� preciso ter cuidado para "tentar" entender cada frase que voc� coloca em seu blog.

Se isso foi uma quase "declara�o amorosa", sim, por que n�o? Retomando, se isso foi uma quase declara�o, ai eu j� acho que nem precisa EU entender.

Na verdade, a mente po�tica � quase incompreens�vel. Por mais que levantem-se interpreta�es, nada � mais justificativo do que eles sentem na hora.

Bem, � mais ou menos isso...

Hahaha..

Belo texto!

Nobre Epígono disse...

Perdão. Está visível mesmo o amor que sente pelos outros...

Só os tolos podem não perceber isso. Ops! Será que eu tô dentro? oO

Então, eu sou o Nobre epígono, oras.

=)

Tentar vir aqui no seu mundo de vez em quando..
Abraço, Magalhães!

Anônimo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Rachel Motta disse...

eita... bora atualizar, né :P